A maior competição estudantil já realizada no País chegou ao fim no domingo (25.11). Organizados pelo Comitê Olímpico do Brasil (COB) desde 2005, os Jogos Escolares da Juventude (JEJ) reuniram este ano, pela primeira vez, as duas faixas etárias (12 a 14 e 15 a 17 anos) em uma etapa Nacional que movimentou Natal, no Rio Grande do Norte, levando esporte, educação e cidadania para aproximadamente cinco mil atletas/alunos de 2.157 escolas públicas e privadas de todos os estados do Brasil.

Mato Grosso do Sul vem conquistando espaço em diversas modalidades nos Escolares, ao todo foram 24 medalhistas: 10 títulos brasileiros, dois medalhistas de prata e 12 bronzes. As conquistas vieram com o judô, natação, atletismo, luta olímpica, ciclismo e tênis de mesa.

Para o oficial técnico da Fundesporte, Fernando Quadros, o trabalho desenvolvido no Estado, vem refletindo nos excelentes resultados na etapa Nacional. “O desempenho das equipes em relação ao ano passado foi superior. Em 2017 foram quatro ouros, nesta edição conseguimos dez medalhas; ficamos muito felizes porque nossos atletas competiram de igual para igual com grandes equipes do Brasil, a participação deles foi de grande relevância para Mato Grosso do Sul”.

A delegação sul-mato-grossense contou com o apoio do Governo do Estado por meio da Fundação de Desporto e Lazer de MS (Fundesporte).

Primeira fase

Na primeira fase, os destaques foram as modalidades do ciclismo, natação e tênis de mesa.

O atleta de Chapadão do Sul, Kawah David, foi campeão do ciclismo, na prova por pontos (australiana) e na prova por resistência do ciclismo, conquistando dois títulos inéditos para o Estado.

Segundo o diretor-geral dos Jogos Escolares, professor doutor Paulo Ricardo Nuñez, a modalidade surpreendeu com os resultados. “É um investimento que deu certo, a três anos quando assumimos a Fundesporte, junto ao professor Marcelo Miranda, tínhamos esse objetivo de implantar o ciclismo nos Jogos Escolares de MS, uma modalidade que vem crescendo no Brasil e no Estado e, agora, tivemos esse resultado importante e muito positivo, reflexo de um bom trabalho da Fundação, técnicos, pais e da Federação de Ciclismo de MS. Pelo calendário de eventos estamos muito satisfeitos com os resultados”.

Na natação foram 7 medalhistas, sendo 3 ouros com os atletas que deram um show nas piscinas, Pedro Pena, nos 100 m costas, na categoria de 15 a 17 anos; Julia Maria, nos 200m medley e uma medalha de prata nos 100m costas na categoria de 12 a 14 anos; e Gabriela Cardoso, garantindo o primeiro lugar para MS na prova dos 100m livre, na categoria de 15 a 17 anos.

Logo após a premiação, os atletas receberam das mãos da delegação Japonesa, presente no evento, uma lembrança dos Jogos Olímpicos que acontecerão no Japão em 2020.

Robson Lima, da natação de MS, garantiu a medalha de bronze nos 50m livre e ajudou a equipe do revezamento a garantir a terceira colocação nos 4x50m medley. No revezamento feminino, as meninas do MS, garantiram a medalha de bronze.

No tênis de mesa, a atleta Larissa Vicente conquistou a medalha de bronze para Mato Grosso do Sul, na categoria individual feminino, a modalidade alcançou resultados inéditos em comparação às últimas edições dos JEJ, trazendo confiança e expectativa para os Jogos no ano que vem.

Segunda fase

O atletismo de MS, fez história na segunda fase dos JEJ. Bruna Viera de Jesus, conquistou o título no lançamento do dardo, mantendo o tricampeonato. A atleta venceu a prova em 2016, 2017 e 2018, mantendo Mato Grosso do Sul no lugar mais alto do pódio. Bruna além de participar das competições de atletismo, coleciona títulos e é referência no handebol, sendo destaque também na modalidade.

A multiatleta faz parte do Time Brasil, ponto de encontro dos atletas de referência nacional e desembarcou nos JEJ em Natal, logo após participar dos Jogos Olímpicos da Juventude, em Buenos Aires. “Minha participação no Time Brasil e nas Olimpíadas foi única, aprendemos coisas novas, a ter mais responsabilidade, excelência e respeito com os colegas, isso refletiu muito no meu desempenho nos Jogos Escolares, usando técnicas novas, foi um grande aprendizado, sem falar que fiz muitas amizades, quero levar para a vida toda”, comenta.A jovem recebe o benefício do programa Bolsa-Atleta e em entrevistas sempre destaca o apoio do Governo do Estado em sua fala, enfatizando a importância da valorização do atleta, tanto na base, como no rendimento.

O atleta do interior do Estado, Yuri Moreira, também conquistou a medalha de ouro no lançamento do dardo, mas na categoria de 12 a 15 anos. O desportista começou no esporte em 2016, na escolinha montada pelo técnico Miller na aldeia em Amambai, conquistando a vice-liderança no atletismo dos Jogos Escolares de Mato Grosso do Sul (JEMS), embarcando para Natal (RN) e surpreendendo a equipe com o título brasileiro.

“No ano passado, nossa melhor colocação foi em quinto, no Nacional, e com o resultado deste ano, fizemos história, quebrando o record estadual e passando perto da marca Nacional, de 55,81, conseguimos 55,31, é uma vitória para nós, foi uma grande experiência e realização de sonhos, o Yuri nunca tinha viajando de avião, e nem conhecido uma cidade tão linda como Natal, foi uma vivência marcante na vida dele”, relata.

A equipe foi recebida com festa na cidade, “fomos recepcionados pelo prefeito e com direito a desfile dos atletas pelas ruas, café da manhã com a equipe da Prefeitura, foi muito bom esse reconhecimento, isso incentiva e motiva mais os atletas”.

No salto em distância a campo-grandense, Hellen Martins, conseguiu a medalha de bronze, garantindo mais um lugar de destaque para Mato Grosso do Sul nos Jogos Escolares da Juventude.

A equipe sul-mato-grossense teve um ótimo desempenho, mesmo não garantindo pódios no badminton, futsal e voleibol, somos bem vistos pelas equipes de fora e pelos olheiros presentes no evento, completa Fernando Quadros, oficial da delegação, da equipe Fundesporte.

Terceira fase

Participaram da terceira e última fase dos Jogos Escolares, os representantes do judô, basquete e luta olímpica de MS.

A equipe do judô, em ótima campanha, conquistou 8 medalhas para o Estado, 3 ouros com os atletas campo-grandenses, Ana Lia Oshiro na categoria superligeiro; no meio leve masculino com o judoca, João Andrade; e no feminino com a atleta, Alexia Nascimento. E, 5 bronzes, com os medalhistas Crislayne Alencar, no superligeiro; José de Marco, no meio leve; Gabriel Romero, no meio-médio; Karla Oliveira; no pesado; e Breno Duarte, também no pesado.

Para Gabriel Romero, a sensação de estar entre os melhores do Estado e do Brasil é fantástica. “Pratico judô desde 2009, já participei três vezes dos Jogos Escolares e esse ano competi na categoria – 73 Kg 15 a 17 anos. Foi uma experiência muito boa, fiquei muito feliz em ser representante do Estado, é uma sensação muito boa, os Jogos Escolares é um dos melhores campeonatos aqui no Brasil por proporcionar uma ótima estrutura para os atletas, alimentação, local muito lindo, além de conhecer pessoas de vários lugares e fazer novas amizades”.

“A modalidade sempre teve uma representatividade muito grande nas competições nacionais, é muito bom ver como o judô de Mato Grosso do Sul, tem trazido grandes resultados, sendo destaque, mais uma vez nos Jogos Escolares”. comenta o diretor-geral dos Jogos, Paulo Ricardo Nuñez.

O Estado, também foi destaque na luta olímpica, garantindo a prata e duas medalhas de bronze. Os irmãos, Paulo André, Assíria Daniela e Pedro Samuel conquistaram posições importantes para a modalidade que desde 2016, não subia ao pódio dos JEJ. Foram prata nos 59 Kg, e bronze nos 60 e 69 Kg, respectivamente.

“É a primeira vez que nós viajamos os três juntos pros Escolares, graças à junção das etapas de 12 a 14 e a 15 a 17. Minha família ficou muito feliz com a nossa classificação, sempre estamos treinando juntos, não foi ouro dessa vez, mas subimos no pódio, só temos que agradecer”, diz a irmã mais velha, Assíria.

O técnico da equipe, Agnaldo Pereira, enfatizou o apoio da Fundesporte, para alcançar as metas da luta olímpica. “Sem o apoio da Fundesporte, é praticamente impossível participar das competições tanto local, como fora. No meu caso todos os meus alunos fazem parte de um projeto que eu tenho e que funciona na minha academia. A luta olímpica ainda não é um esporte massificado em nosso Estado e precisamos do apoio da fundesporte para isso também e toda vez que um atleta nosso viaja e ganha medalha em evento da magnitude dos jogos escolares da juventude, nós ficamos mais conhecidos, incentivando a prática no MS”, revela Agnaldo.

Texto e fotos: Vanessa Ayala 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here