Mais de 150 atletas/acadêmicos da UCDB (Universidade Católica Dom Bosco em Campo Grande) estão a procura de novo projeto esportivo e profissional para o próximo ano. Isto por conta do fim do apoio que a entidade vai dar. Aos poucos, os atletas e professores/técnicos dos times estão sendo informados do fim da modalidade. Basquete masculino e feminino, handebol masculino, futsal masculino e alguns atletas individuais como natação já são certo que estão “desempregados”. A informação daquilo que está sendo chamado de “restruturação” foi confirmada pelo pró-reitor, padre João Marcos, que tenta amenizar de que ainda serão reavaliados possíveis potenciais e que poderá ter um outro caminho. Só é bom lembrar, que no final de 2017, o voleibol masculino passou pela primeira reavaliação e não voltou na temporada 2018 até hoje. O que acontece nesta semana é na prática o fim do apoio ao esporte. Na rede social, os campeões manifestam com tristeza.

Foram 20 anos de absoluta conquistas nos investimentos nas modalidades esportivas, seja coletivas ou individuais. Atletas/acadêmicos e hoje profissionais foram formando graças ao apoio dado ao esporte. O reflexo de 14 vezes campeão dos Jogos Abertos de Campo Grande é apenas um dos exemplos. Além disso, existem vários resultados individuais, seja nos jogos como nos profissionais que estudaram na universidade e que até hoje prestam serviços no local, ou para a sociedade sul-mato-grossense.

NÃO FALTOU APOIO

Diretor da Fundesporte lamenta a decisão

O diretor-presidente da Fundesporte, Marcelo Ferreira, recebeu a informação como “lamentável” a decisão da universidade. “No melhor momento do esporte universitário, onde o Governo do Estado, até em respeito e acreditar no trabalho desenvolvido, patrocinou nestes últimos quatro anos, todos os gastos com as viagens dos acadêmicos de todos os eventos disputados, recebemos essa decisão. A palavra lamentável ainda é fraca diante da decepção que estamos tendo neste momento”, comentou.

COMO COMEÇOU

A primeira modalidade esportiva a receber apoio da universidade foi o futsal masculino. Em 1998, o então professor de educação física, Herculano Borges Daniel, hoje deputado estadual, apresentou o projeto ao reitor. Recebeu apoio e realizou a primeira seletiva para escolher os atletas de futsal. Entre eles estava o jogador/goleiro Sérgio Pavão. Depois de vencer quase todas as competições envolvidas, Pavão seguiu para outro projeto. Ele fala sobre a decisão de acabar com a modalidade.

DECISÃO INDECISA

O fim do time do basquetebol masculino vai refletir diretamente na final da Conferência Norte do Novo Basquete MS. Com a segunda partida do playoff marcada para o próximo sábado no Centro de Treinamento Municipal poderá não acontecer. O presidente da Liga, professor Aparecido Lotti, ainda não recebeu a confirmação oficial se o time vai jogar ou não. Lotti espera ter uma reunião nesta quinta feira para ter os detalhes do fechamento da rodada em Campo Grande na partida diante do Sejuvel/Três Lagoas. O time campo-grandense venceu a primeira partida. Se perder, haverá uma terceira partida no domingo às 10h, no mesmo local. O professor é técnico da UCDB, Ronaldo Monteiro, do masculino e feminino, já foi dispensado de suas funções.

FUTSAL FEMININO, NA ESPERA

Nesta quarta-feira, o técnico Nando comandou normalmente o treino da equipe feminina. Mas o clima não era dos melhores. A tristeza estava estampada no rosto das jogadoras/acadêmicas.
A última competição disputada foi no Paraná, na Taça Brasil de Futsal. Em parceria com a Moreninhas, o time não teve dificuldades de vencer pela primeira vez o Campeonato Estadual Feminino de Futebol de Campo. O título foi comemorado em Três Lagoas. Nando agora também a definição da continuação ou não.

O OUTRO LADO

Padro João Marcos ainda haverá anúncio oficial (foto-página site)

Na página da instituição, o esporte tem a indicação de apoio. Segundo o site, são 140 acadêmicos que compõem as equipes de futsal, basquete, vôlei, handebol — times masculino e feminino — além das modalidades individuais como atletismo, judô e natação. Só que o vôlei masculino não tem mais. O pró-reitor padre João Marcos relatou que não significa que “vai acabar”. “Estaremos fazendo uma restruturação e readequação no investimento esportivo e avaliaremos os resultados obtidos. Depois vamos comunicar quais os esportes que serão apoiados pela universidade”, comentou.

REDE SOCIAL

Banner que roda nas redes sociais

Atletas da Universidade estão manifestação nas redes sociais sobre a posição tomada pela reitoria da UCDB. Mesmo com a “palavra” de restruturação, a maioria que conversou com a reportagem admite que a situação é de não ter mais retorno. Os possíveis investimentos que estão sendo feitos nas estruturas nos campos podem ser um dos motivos de redução das bolsas. “Só que a atual reitoria parece não conhecer tudo o que foi feito nos últimos anos de levar o nome da entidade pelos quatro cantos do país. Muitos acadêmicos de outros estados só conhece aqui graças ao esporte”, comentou um dos contatos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here