Com discursos por mais transparência na gestão dos recursos públicos, os deputados estaduais por Mato Grosso do Sul comentaram durante a sessão desta terça-feira (12) sobre a Operação Purificação, deflagrada pela Polícia Federal na manhã de hoje na Fundação de Serviços de Saúde de Dourados (Funsaud).

O deputado Marçal Filho (PSDB) foi quem subiu à tribuna para comentar a operação policial, que investigou crimes de estelionato, associação criminosa e fraudes em licitações. “Ainda não temos informações se há culpados ou inocentados, mas se milhões são repassados e a saúde está nessa preocupação, para onde está indo o dinheiro? O povo quer transparência”, afirmou.

O parlamentar exemplificou que com as redes sociais é possível dar mais publicidade às prestações de contas. “Em linguagem acessível dá para mostrar detalhadamente o quanto entrou, o quando foi usado para ‘isso e isso’, quais são as taxas e assim também o próprio gestor é preservado, pois está tudo lá às claras”, argumentou Marçal.

Para Neno Razuk (PTB) tudo será investigado. “Tem que ser esclarecido e se tiver qualquer irregularidade comprovada, o responsável deve ser punido. Todas as licitações são acompanhadas pelo Ministério Público Estadual e a Prefeitura de Dourados já me informou que está de portas abertas para apurar todos os fatos”, ressaltou.

Barbosinha (DEM) ressaltou que a gestão pública deve ser eficiente em todas as áreas, não só para a pasta da Saúde. “Porém devemos observar que a Saúde está em um caos nacional. O SUS [Sistema Único de Saúde]precisa ser revisto. Será mesmo que é falta de gestão? Ou falta de recursos? A questão é que pessoas morrem todos os dias por falta de atendimento e isso precisa ser apurado”, finalizou.

Fernanda Kintschner   

Foto: Victor Chileno 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here