Salineiro manda ‘descer o cacete’ em quem briga no Carnaval

0
217

O vereador em Campo Grande, André Salineiro, do PSDB, acha que os guardas municipais que agiam na segurança da festa do Carnaval, promovida na Esplanada dos Ferroviários, deviam conter o vandalismo “descendo o cacete” no que ele chamou de “marginais”. Ele remeteu ainda um duro recado às pessoas que atuam em entidades ligadas aos direitos humanos.

A opinião de Salineiro foi dita durante uma parte da sessão da Câmara Municipal, desta quinta-feira (7), quando o vereador Valdir Gomes (PP) comentava os episódios violentos que ocorreram na última noite da festa popular, anteontem, terça-feira (5).

Imagem captada por um dos foliões mostraram jovens se agredindo e danificando bens públicos.

No discurso, Valdir Gomes, carnavalesco há pelo menos três décadas, não atacava as pessoas que brigaram ou depredaram os bens públicos, nem a promoção da festa, ou as pessoas que foram para a Esplanada.

Ele questionava a falta de segurança no local. “A cultura [Carnaval, no caso] tem de ser enaltecida e isso não ocorreu”, discurso o vereador.

Valdir Gomes afirmou ainda que a prefeitura da cidade devia ter contratado seguranças particulares para agir durante a festa. “Teve alguém preso?”, questionou ele.

No Carnaval deste ano, a segurança ficou sob a responsabilidade da Guarda Municipal. Policiais Militares atuaram em complementação na celebração que juntou, por dia, ao menos 40 mil pessoas, entre as quais crianças, adolescentes e adultos.

A briga e os ataques aos monumentos públicos ocorreram no fim da festa, por volta das 22h00.

O argumento de Gomes conquistou o apoio de vereadores que também comentaram o caso, como Eduardo Romero (Rede), delegado Wellington (PSDB), Eduardo Cury (Solidariedade) e Dharleng Campos, do PP. Os parlamentares não discordaram da realização do Carnaval e também criticaram a falta de segurança no evento.

Ponto fora da curva

Já Salineiro, em tom raivoso, ao conferenciar sobre a briga, disse que as famílias já não estariam aguentando mais o “politicamente correto”. Ele acrescentou ainda: “chega!”.

Pelo falado pelo vereador, noutra festa de Carnaval, os guardas municipais teriam de serem treinados para o “uso progressivo da força”. “Desça o cacete”, foi recado do vereador.

Salineiro seguiu com o discurso tempestuoso – ele disse que não estaria preocupado com as eventuais críticas dos “direitos humanos”, organização que já teria enviado protestos a ele, por escrito.

E quando isso acontece, afirmou o vereador, ele deixa [papel] no banheiro para ser usado “quando faltar papel higiênico”.

O vereador criticou também a pena aplicada a pessoas que pratica atos obscenos, como o de urinar na rua – multa mais seis meses de reclusão.

Para o vereador, quem urinar na rua não pode ser considerado cidadão e, sim, animais.

Outras declarações

Não é a primeira vez que o vereador, que é agente da Polícia Federal, incita a violência. Em março do ano passado, um ano atrás, Salineiro disse que era para “descer o cacete” num grupo de índios que haviam bloqueado uma rodovia por melhorias no setor da saúde. Com informações do TopMídiaNews.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here