Curvas de nível e valas construídas pela Secretaria de Meio Ambiente e Secretaria de Obras diminuíram os alagamentos na área urbana

 

Devido às fortes chuvas que caem na região o Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul) e a Coordenadoria de Defesa Civil de Bonito estão definindo como “crítica” a situação do Rio Miranda, com sérios riscos de inundações no distrito Águas do Miranda, Pesqueiro do Noé e outras localidades ribeirinhas.

De acordo com o secretário municipal de Meio Ambiente, Edmundo Dinelli Jr., a Coordenadoria de Civil do Município e a Secretaria de Assistência Social (SAS) estão se mobilizando para a remover os ribeirinhos de suas casas para um local seguro, antes que o rio suba e elas sejam inundadas. “Por enquanto eles preferem permanecer lá, mas estamos preparados”, afirmou.

NA ÁREA URBANA – “As chuvas de hoje e de segunda não causaram danos na área urbana, apenas os transtornos normais”, afirmou o secretário, destacando que as obras de construção de curvas de nível e de valas realizadas na Fazenda São Domingos pela Secretaria de Meio Ambiente, em dezembro do ano passado, se mostraram muito eficientes, precisando apenas de alguns ajustes.

A Fazenda São Domingos, que integra a empresa Fazenda Santa Otilia Agro-Pecuaria Ltda., faz divisa com a área urbana de Bonito por mais de 3 quilômetros e meio – do início da estrada do Sucuri (nas proximidades do Cemitério municipal) até as proximidades da Vila Machado.

Também no mês de dezembro a SEMA, em parceria com a Secretaria Municipal de Obras, efetuou trabalhos de recuperação e construção de caixas de contenção de água ao longo da estrada boiadeira, reduzindo o volume de água que antes inundava casas na Vila América.

Chuva na segunda e na quarta-feira acumulou 260 milímetros, o volume do mês inteiro. Foto: JabutyChuva na segunda e na quarta-feira acumulou 260 milímetros, o volume do mês inteiro. Foto: Jabuty

ESTRADAS – “Estivemos pontualmente na estrada da Gruta, onde existe o problema, que já é sabido, de interrupção no córrego Queima Boca, que acumula um grande volume de água. Enquanto o asfalto não ficar pronto não há como resolver a questão, infelizmente, já que o local fica em uma baixada”, afirmou Edmundo.

Segundo o secretário, foram mais de 140 milímetros de chuva acumulada (medida na fazenda América) na segunda-feira e hoje, quarta-feira pela manhã, mais 120. “Em duas chuvas choveu 260 milímetros, o volume do mês inteiro, mas estamos juntamente com a Agraer acompanhando de perto os acontecimentos”, finalizou.

CHUVAS TESTARAM REFORMA DA PONTE  – As fortes chuvas desta semana serviram também para testar e aprovar os trabalhos de reforma da ponte sobre o Córrego Bonito, realizados pela Agesul no ano passado, com a instalação de novas manilhas para aumentar a vazão da água e evitar enchentes.

O vão (a distância entre dois apoios consecutivos de uma estrutura) da ponte é de 14 metros. Na ocasião foi aberta uma nova galeria – com a colocação de novas manilhas (quadradas) de 2 por 2 metros ao lado das já existentes (que medem 2 por 3 metros).

Vazão da ponte sobre o Córrego Bonito aumentou com a colocação de novas manilhas, ao lado das já existentes. Foto: JabutyVazão da ponte sobre o Córrego Bonito aumentou com a colocação de novas manilhas, ao lado das já existentes. Foto: Jabuty

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here